Crítica: “Misoginia” & Geração Ovomaltine

Deparei-me com uma notícia de título muito curioso hoje. Não me lembro do título exato, mas era alguma coisa falando sobre Misoginia e o Marcelo Tas. Não negarei que nunca ouvi falar de Misoginia, porém após a leitura da manchete, coloquei-me a pesquisar. Descobri o quê era misoginia (é o nome para aquele que tem aversão ao feminino) e sobre o quê era a notícia.

Tudo começou com um comentário no programa CQC, falando que uma mulher amamentando em público não é bonito. Acusações sobre a palavra “mamaço” – que seria uma manifestação (sim, agora existe manifesto para qualquer motivo no mundo) onde uma mãe foi impedida de amamentar no banco e aglomeraram um monte delas para dar de mamar como forma de protesto. Puxa, antigamente os manifestos eram por coisas que realmente precisavam, e não ocorridos em particular como esse – sinceramente, o problema é da mulher que foi censurada no banco e isso é tudo.

Agora, antes de tudo, qualquer piada é preconceituosa – foi dito pelo Danilo Gentili e não é mentira. Qualquer piada, absolutamente, é preconceituosa. Sejam contra os portugueses, loiras, judeus, joãozinhos, corinthianos, são-paulinos e até aqueles que inventam personagens próprios para Stand Up ou para ir às Praças é Nossa e Zorra Total da vida. Mesmo o escorregão da casca de banana, uma piada tão clássica. Imagine alguém que escorregou na banana, quebrou a coluna, por exemplo. Com certeza, a piada tão corrente para essa pessoa não é interessante. Logo, essas pessoas que não acharam graça em Mamaço, não deveriam rir de mais nenhuma piada, mesmo. Eu rio porque “mamaço” já é uma palavra engraçada sozinha.

Hoje estamos numa sociedade com os valores todos distorcidos. Não quero ser purista- longe disso. Ao mesmo tempo em que uma piada é alvejada, assistimos no horário das oito à novela que trata de sexo, sexo e sexo – bom, é tudo que eu cheguei a perceber nas vezes que tive a paciência de ver. Programas como o do Datena, que são exibidos no horário da tarde não são censurados, mas um jogo de videogame é, né? Ao mesmo tempo em que estamos numa era de dorgas, secsso e qualquer outro tipo de liberação, também é uma sociedade criada à base de Ovomaltine e mamão. Onde qualquer besteirinha é motivo de alarde. Qualquer besteirinha é Bullying – quando eu era menor, nem existia esse termo e as zoações sempre existiram, é inadequado para crianças. Hoje em dia as crianças assistem àquela merda – acho que é Lazy Town o nome da porcaria. Já viu aquilo? As crianças estão superprotegidas e há censura em tudo, mas só apresenta versões distorcidas da realidade.

A menina pensa como se fosse adulta, para qualquer coisa e usa uma saia curtíssima. A calça do protagonista é grudada ao corpo. O vilão é afeminado. Gozado, é um tanto contraditório isso daí. E tem um enredo que menospreza a inteligência de uma criança. Porra, na minha época eu assistia Dragon Ball. Meus pais assistiam a Tom e Jerry e ao Pica-pau (já viram a quantidade de armas que aparecem nisso aí?). Imagino se Chaves fosse feito nos anos 2000. Nos moldes originais, seria censurado e classificado para maiores de 14. Se fosse adaptado, Chaves não viveria num barril – machucaria a coluna e não queremos crianças fazendo o mesmo. E nem tomaria bofetões do Seu Madruga, pois não se bate em criança. Nhonho e Quico nunca comeriam aquele pirulito porque causa cáries e devemos cuidar dos nossos dentinhos. Seu Madruga fumava horrores, e as crianças não podem ver ninguém fumando. É idiotice mesmo.

A Sociedade está burra. Não sabe onde meter o nariz, então fica protestando pelo problema alheio. Não sabe diferenciar gosto de qualidade, porque eu posso gostar de comer merda de cavalo e como eu gosto, causa a impressão de que é bom. Onde “André Cowboy” virou Trendig Topic mundial – e quem é esse aí mesmo? Onde pedem “Orem para Justin Bieber” quando tem MUITO mais gente precisando e esse cara só estava com uma gripe.

Eu vou me pronunciar. Eu sou contra – mesmo – que uma mulher amamente no meio da rua. Não porque é promiscuidade, mas por uma questão moral. Uma vez eu me lembro de ter visto uma mulher amamentando em plena Sta. Ifigênia. Muito higiênico, não? O local, cheio de gente, é muito bom para uma criança recém-nascida (no caso em particular da Sta. Ifigênia) ficar no meio de tanta gente com aquele sistema imunológico tão fraco, né? “Ah, mas é pela necessidade da criança!”. Quero ver um dia eu estiver excitado depois de ver uma gostosa e abaixar minha calça para me masturbar, se vão achar bonito. Aliás, vou fazer isso e acusar misandria.

Eu só precisava me pronunciar também, depois de ouvir TANTA MERDA sobre um comentário aleatório num programa de TV, os quais foram feitos por anônimos. Sou um também, mas foram os outros que começaram. E dois podem participar desse jogo. Mas eu comento daquilo que eu tenho certeza que eu entendi. É que tem gente que fala de opinião e pedem “deixe-me expressar a minha”, mas quando alguém coloca outra opinião CONTRA, repreende. Ué, não são ambas opiniões?

A blogueira em questão é uma tal de “Lola”. Ela fala que processo é uma coisa que não se aplicaria ao caso e que foi exagero e mimimi. Mas o modo no qual ela encara essa situação faz parecer que ela quis que isso acontecesse mesmo ao invés de soltar um simples “foda-se’. Aliás, o Tas QUER processar. Toda vez que falava ao meu pai ou à minha mãe que “Queria um videogame novo”, eles diziam “Querer, você pode querer o quê quiser, se vai ganhar são outros quinhentos”. Se alguém diz que a anatomia feminina é nojenta, brinque com ele de volta, chamando-o de viado. É assim que o humor funciona.

P.S. 1 – O Texto, foi, na verdade, escrito ontem. Só não postei para evitar a fadiga.
P.S. 2 – Fiquei com preguiça de revisar. Deve ter uns erros de digitação.
P.S. 3 – Comentários de novos leitores a postagens velhas não serão aceitos.
P.S. 4 – Se aparecer mais algum P.S. eu coloco.
P.S. 5 – O termo “Geração Ovomaltine” veio do amigo Igniz, que já tem um post dele em algum lugar aí. Comecei a usar o termo oficialmente quando eu disse que “Jojo é um anime Gay para cabras machos’. Aí veio o @NobodyLink perguntando sobre o quê é Naruto e respondi que era “Para crianças criadas à base de Ovomaltine com pêra”.
P.S. 6 – O P.S. 5 me veio à mente depois do P.S. 4.
P.S. 7 – O Tio Will também me ajudou com alguns exemplos de “e se o Chaves fosse criado hoje”.
P.S. 8 – O P.S. 7 veio depois do 6º

Anúncios

4 respostas para “Crítica: “Misoginia” & Geração Ovomaltine

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: