Precisamos falar (de novo) sobre a Marvel

marlel

Antes de tudo, quero deixar claro que isso não é um review. Dito isso, começo colocando que nesse domingo fui ver o Doutor Estranho no cinema. Eu já fui com expectativa baixa, dado padrão repetitivo e bobo dos filmes da Marvel, embora no fundo eu torcesse pelo sucesso por causa do Cumberbatch e da Tilda Swinton, que são fodas para caralho.

Mero engano. O filme, apesar de apostar em efeitos visuais psicodélicos, é um desastre. O começo chega a ser fantástico, com humor de situação (não literalmente piadinhas) na medida certa, bem como o tom como um todo. No instante em que o Estranho é aceito como aluno da Tilda Swinton é que o negócio solta o freio na ladeira até o ponto de ficar simplesmente impossível de assistir. Nível Homem de Ferro 3 mesmo, que é um negócio absurdo de horroroso.

O personagem do Estranho é simplesmente intragável, para o azar do Cumberbatch. É literalmente um terceiro Carreirinha (o segundo é o Memelord do Guardiões da Galáxia). A quantidade de piadas que ele começa a fazer sempre na pior situação é ridícula. É necessário avisar para a Marvel que um personagem pode passar a imagem de fodão e egocêntrico sem precisar ficar fazendo piadinha fora de hora. Como se não bastasse, uma infinidade de direções criativas tomadas também só piora a questão toda, como o tapete mágico do Alladin virando a capa do personagem e o cabeção-fumaça que virou o Dormammu aqui.

Como eu disse antes, humor de situação é válido, como na parte em que o Estranho faz aquela viagem psicodélica e depois ele pergunta se tinha alguma coisa no chá. Isso é natural. Agora, o que não pode é o Estranho fazer uma puta cagada quando decide usar o Olho de Agamotto pela primeira vez, levar umas comidas de rabo a respeito do quão perigoso ele é a com relação ao continuum tempo-espaço, recurso narrativo que, na verdade, serviria para explicar ao espectador o seu poder e vem o Strange fazer piadinha. Pior, quando a personagem da Tilda Swinton acaba de bater as botas, o momento mais trágico do filme e vem aquela merda de capa querendo aparecer.

O mais engraçado é a manta quente em cima que colocam em cima da película para fazê-lo parecer que não é tão ruim. Digo, os filmes do Quarteto Fantástico e o do Lanterna Verde foram considerados desastrosos (e são mesmo) parte por encarnarem os vilões em fumacinhas do mal. Aqui acontece absolutamente a mesma coisa e é tolerável? Ainda, ficam chamando o final, em que o Estranho prende o cabeção Dormammu num looping temporal – que certamente viveu uma eternidade e mesmo assim perdeu a paciência bem rápido – de “incomum”, “diferenciado”, “fora do convencional” como se fosse alguma novidade na ficção, só para não falarem também que foi uma decepção sem tamanho E olha que conseguiu ser mesmo uma das partes mais inteligentes nesse filme, mais por contraste, já que o resto dele todo é uma imbecilidade que só.

Isso é só o Doutor Estranho, que para mim foi a gota d’água. Outro dia eu estava assistindo ao Vingabobos 2. Eu achei um negócio deprimente logo na primeira assistida, mas da segunda para frente eu fui notando que é uma perda de tempo para todo mundo que decide assistir e levar essa merda de roteiro sem sentido a sério. O Stark é um babaca que faz cagada atrás de cagada naquele filme. Ele fodeu com o negócio todo criando o Loltron e se acha no direito de botar panca em cima de todo mundo, mesmo sem moral alguma. A puta barriga que o filme tem quando mostrou a família de comercial de margarina do Gavião-Arqueiro também é de foder, porque jogou o mínimo de desenvolvimento de personagem que ele teve no primeiro filme no lixo, já que colocava em pauta um possível romance dele com a Viúva. Ela, por sua vez, se relaciona aqui com o Hulk, algo que começou em lugar nenhum, pois simplesmente aconteceu, além de perder tempo para caralho e ser brega demais com aquela história de música de ninar. Para terminar, tem o Thor que decide ir tomar banho para refletir no meio da crise e volta ainda sem tirar conclusão nenhuma sobre nada, o tipo de cena que se cortar inteiramente, vai ser imperceptível que um dia ela esteve lá.

E o pior, o próprio Loltron não tem lógica alguma – e olha que ele é a porra de um computador. Digo, ele é uma máquina projetada para trabalhar em prol de um mundo de paz. No entanto, a IA em questão navegou uns cinco minutos na internet e, ao ver a destruição causada pelos Vingadores, decide que eles deveriam ser destruídos. O problema é que mesmo sendo um robô com uma maldita calculadora na cabeça (ou ao menos deveria ter), ele não sabe somar positivos com negativos para tirar o saldo de perdas e ganhos na destruição toda. Dentro do conceito distorcido de paz dele, que visava evitar a destruição, como ele vai botar seu plano em prática? Destruindo a porra toda mesmo. E a coerência, ó? Isso sem falar em cenas imbecis menores, como a morte do Mercúrio. Isso levanta a questão: ou ele é incapaz de pegar a bala com a mão ou é burro feito uma porta para não fazê-lo.

Vingabobos 2 só serviu para mostrar o quão cretino o Stark é. Chegou a tomar enquadrada do Capitão América na cena dos dois cortando lenha e até do Rhodes, que questiona com “Tudo para você é piada?”, num momento de brilhantismo que resume o MCU em apenas uma sentença.

O Guerra Civil, que eu botava fé por ser sequência do Capitão América 2, que foi o último grande filme do estúdio, também foi uma montanha de bosta. Ele comete exatamente os mesmos erros do Batman V Superman, mas enquanto um é detonado, fazem vista grossa com o outro. Eu dou créditos para o BvS porque lá é possível ver o embate entre os dois. Guerra Civil é briguinha de pátio de escola, literalmente falando, dessas em que os amiguinhos começam a brigar, mas ninguém realmente desce a porrada em ninguém, é só ombrada inofensiva. Guerra Civil é isso.

Eu queria entender de verdade o motivo de eu continuar perdendo meu tempo vendo filmes da Marvel. Não é possível que eu ainda crie qualquer expectativa, mesmo que eu goste do personagem em questão. Aliás, deveria ser pior, se eu gosto do personagem, deveria é começar a me desesperar, porque eu sei que vem mais bosta enlatada por aí.

A primeira fase do estúdio foi bacana. A parada só começou a degringolar no primeiro filme dos Vingabobos (que fica pior a cada assistida) para frente. Homem de Ferro 3 é ruim feito o Mulher Gato da Halle Berry. Thor 2 diverte porque o Loki carrega o filme nas costas, uma vez que a narrativa dele ele todo é composta por erros imbecis cometidos pelos personagens. Homem Formiga é nível Adam Sandler de cinema. O único realmente fantástico aqui é o Capitão América 2. Mesmo o Guardiões da Galáxia perdeu a chance de ser impecável aos quarenta e cinco do segundo tempo com a dança escrota do Memelord, como se não houvesse outros recursos com o mesmo efeito que não quebrasse a merda do clímax do jeito que quebrou.

(Talvez eu faça um dia “Um Review Por Parágrafo: Filmes de Herói”, tive a ideia agora, mas por enquanto, fica para o futuro)

A impressão é que filme da Marvel é feito para retardado mesmo e que todo mundo já percebeu isso, igual a criança que faz um desenho de bosta e a gente passa a mão na cabeça falando “que legal”, mesmo sendo um negócio horroroso até para a idade do moleque em questão. É a única justificativa.

Já o Cumberbatch eu lamento, porque ele está preso nesse papel de merda do Doutor Estranho quando daria um perfeito Constantine. Uma pena. Só os efeitos especiais se salvam em Doutor Estranho. O pior é que nem é tanto assim, já que a cena do acidente parece um bonecão renderizado por um Playstation 3 e o efeito de projeção astral que parece efeito de tazo 3D da Elma Chips.

Link Relacionado: [Marvel e a Nolanficação em Demolidor]

Anúncios

2 respostas para “Precisamos falar (de novo) sobre a Marvel

  • Doc Cocamonga

    Acho que nem irei assistir online essa desgraça. É incrível como a Marvel tem os melhores tipos de super heróis ao mesmo tempo que cria histórias toscas pra eles. Dr. Estranho era praticamente um herói enfrentando badtrips cósmicas e o pessoal vem com essas histórias ridículas. Dava pra fazerem um puta filme de horror misturando o macabro com chapações nível The Void. Eu não acho que a Marvel tenha boa mão pra adaptar seus heróis pra atualidade, eles ficam presos demais a uma determinada era. Aquela animação antiga do Estranho era razoável mas já perdia o contexto da fase áurea setentista.

  • Um review por parágrafo: Filmes de Heroizinhos – Marvel (Parte 1) | Horny Pony

    […] Relacionados: [Um review por parágrafo: Xbox 360] | [Um Review por Parágrafo: Wii] | [Precisamos falar (de novo) sobre a Marvel] | [Marvel e a Nolanficação em Demolidor] […]

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: