Arquivo da categoria: Internet

Que tipo de cultura de massa é essa?

Meu próximo post (que já está pronto) ia ser sobre um tuíte merda sobre como Naruto tem boa representação de certos personagens em relação a Dragon Ball, mas eu passei esse aqui na frente por causa de outro tuíte merda que um passarinho (bochechudo) me mostrou: Continue lendo


Fansubbers: Heróis da Revolução Otaku

Título alternativo: Crunchyroll Vs. Fansubs — acabou a mamata!

Eu vou falar sobre esse assunto porque texto dando opinião infundada é mais fácil de fazer do que minhas análises longas de várias páginas que exigem estudo prévio durante sua confecção, mas que ninguém lê. Enfim, eu parto primeiramente da seguinte lógica: pau no cu da Crunchyroll, mas um pau ainda maior dos supostos fansubs que alegam ter sido virtualmente derrubados pelo serviço. Continue lendo


Conheça os 10 Mandamentos do Dai-Otaku King

Se você acha que é o super-otaku comedor de cocotas, é porque não conhece o Dai-Otaku King, que equivale ao “Grande Rei do Otaku” (português não é uma língua que agrega algo ao status otaku). Com grande exclusividade para a coluna de artigos do Horny Pony, ele revelou os 10 mandamentos do Otaku nos eventos de desenho japonês, tipo o Anime Friends e o vindouro Ressaca Friends, agora no fim do ano: Continue lendo


Modinha Apocalíptica

A verdade é que apocalipse zumbi e coisa do gênero já encheu o saco. A temática era divertida, mas já saturou. Qualquer merda é motivo para apocalipse zumbi, qualquer universo criado é apocalipse zumbi. Apocalipse Zumbi e apocalipse zumbi. Continue lendo


Por trás de um Scanlator

 Ou chame de "Nos Bastidores da Jojo's Bizarre Alliance"

Eu tive a ideia de fazer este post enquanto trabalhava feito um cão para lançar o pack de aniversário para a Jojo’s Bizarre Alliance. Eu parei pra pensar quando foi que eu me meti nessa de editar mangá e imaginei que seria interessante descrever o processo – embora que óbvio – de um scan. Enfim, vamos lá. Continue lendo


PonyExpress – Tombando uma Project…

Cara, isso foi divertido. Só para deixar claro, Cole é o chefe e Kami é sua bicha puxassaca. Aí fizemos a analogia e encerramos com um “Bye Bye Bats”. Bom, depois eu falo um pouquinho sobre o modo ridículo de administração das Projects… Nem a Plus tinha tanta frescura no rabo, e é bem maior que a Project. Bom, isso me resultou num ban do fórum deles, mas…


PonyExpress – Prince discursa contra a Internet (de novo)

Prince discursa contra pirataria e adia gravação de novo álbum


RIO DE JANEIRO – Prince foi o primeiro artista a lançar um álbum completamente digital, em 1997, mas desde então decidiu que odeia música com esta tecnologia e resolveu adiar a gravação de seu álbum enquanto o problema da pirataria online não estiver resolvido. As informações são do blog “Perez Hilton”.

“A indústria mudou. Fizemos dinheiro (online) antes de a pirataria virar uma loucura. Ninguém está ganhando dinheiro agora, exceto empresas de telefonia, e outras de tecnologia. Eu tenho que ir para a Casa Branca para falar sobre proteção de direitos autorais”, disse.

Mas a revolta do cantor não parou por ai. “Eu, pessoalmente, não suporto música digital. Você recebendo som em partes. Ela afeta um lugar diferente no seu cérebro. Quando você volta a tocar, você não sente nada. Somos pessoas analógicas, não digitais”.

Não vou negar: Ri. Não sei se é hipocrisia ou se é, de fato “estar a frente de seu tempo”. Acho que um pouco dos dois, a julgar que muito do que ele já fez no passado é repetido – e com sucesso – hoje em dia. Afinal, a Lady GaGa tá aí para provar. E pessoalmente, também acho que a internerdz matou a indústria de música. Afinal, vamos em partes. A Internet é um meio gigantesco – senão o maior hoje – de comunicação em massa. Muitos artistas são descobertos através dela. Uma leva deles ainda vai aparecer, garanto (Justin Bieber é um moleque cagão e só o primeiro). Como aparecem muitos, eles possuem uma vida útil muito curta e, nessa vida útil, será somente para a venda. E material sem conteúdo, consequentemente. E eu estou falando só num contexto do cantor. A venda em MP3 também ajudou a proliferar esse monte de bosta, porque qualquer um hoje pode vender “música” no Itunes, que como disse o próprio Prince, cobram uma merreca pela sua música, nos dias de hoje, quase sempre sem qualidade.
Visionário? Sei lá. Só sei que queria um disco novo pra ficar ouvindo. E ele adiou.

P.S Texto meio confuso e não consegui organizar bem os argumentos porque estou com sono, mas foda-se.